500 anos da Reforma 09 OUT 2017 ÀS 11H24

Roberto Minczuk fala sobre fé e desafios para Concerto

Maestro regerá celebração dos 500 anos da Reforma

Por CBESP

Regente com passagens por Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), Filarmônica de Calgary, e Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), o maestro Roberto Minczuk conversou com a reportagem da CBESP sobre essa celebração pelos 500 anos do protestantismo.

Minczuk vai conduzir músicos e cantores no Concerto da Reforma

A CBESP antecipa hoje (9) trechos do bate-papo com o maestro que será publicado na próxima a Revista Batistas SP, edição que circula a partir de novembro. Minczuk compartilhou histórias sobre a caminhada na carreira musical e na fé cristã. Ele falou na entrevista sobre os preparativos e as expectativas para o evento.

Com entrada franca, a apresentação acontece no dia 2/11, às 19h, na Sala São Paulo. Os primeiros vouchers para garantir ingressos começaram a ser distribuídos na semana passada. Novo lote será liberado ainda hoje. O concerto é organizado pela Associação dos Músicos Batistas do Estado de São Paulo (Ambesp) e outros parceiros com apoio da Convenção.

Confira abaixo parte da entrevista com Roberto Minczuk.

 

Quais são os desafios para esse concerto? Alguns deles são seus?

Será um evento muito importante para todos os cristãos, estou muito feliz em poder participar. Os desafios são enormes, principalmente na preparação espiritual e também dos músicos, mas é algo que queremos fazer para o louvor do nome de Deus, conscientizando sobre o que Ele fez acontecer 500 anos atrás.

Minczuk tem experiência internacional (concerto.com.br)

A música erudita já foi mais restrita a certos grupos da sociedade. Como o protestantismo diminui essas barreiras sociais?

As igrejas criam oportunidades, e uma delas é a música. Com grupos, coros e orquestras, diversos talentos podem ser desenvolvidos. A igreja une a musica com a fé para abrir portas. Eu mesmo fui ter a oportunidade de ter um instrumento e tocar toda semana graças a igreja. Dela surgem vários dos músicos profissionais que hoje compõem nossas mais famosas orquestras.

Como foi sua conversão e como tem sido seu serviço para o Reino de Deus?

Eu tive o privilegio de nascer em um lar cristão. Quando aprendi a ler bem, tomei a decisão de ler a Bíblia todos os dias antes de dormir, e, quando tive contato pela primeira vez com a história de Davi, fui muito marcado. Vendo a maneira como ele orava e recebia a resposta de Deus, também busquei sempre por respostas.

Em uma época pedi para ter a oportunidade de estudar na Julliard School, escola de música em Nova York (nos Estados Unidos). Após dois anos de muita oração, assistindo a um ensaio da Osesp, cujo regente era o presidente da escola, fui me apresentar a ele. Tinha apenas 14 anos, e pedi para estudar na Julliard. Consegui uma audição para o dia seguinte. Depois de 7 minutos de música, ele me disse: “As aulas começam em dois meses.” Foi um milagre pra mim, mas foi principalmente uma resposta de oração.

Leia outros trechos da entrevista com Minczuk a partir de novembro na Batistas SP.